Dúvidas Frequentes

Eu sou comunicado se algum exame der alterado?
Sim. Se algum exame der alterado, é enviada correspondência para a residência do doador solicitando o seu comparecimento para receber orientação médica e coletar nova amostra de sangue. É importante que o doador não deixe de vir ao Hemosul para que possam ser esclarecidas as dúvidas. Resultados reagentes nos testes sorológicos podem ocorrer por vários motivos, não significando, necessariamente, que exista alguma doença.

É possível doar sangue fazendo uso de medicamentos?
Depende do tipo da medicação. No dia da doação, durante a entrevista médica, é realizada essa avaliação.

Quais os cuidados que devo ter após a doação?
O doador deve alimentar-se bem, ingerir bastante líquido e evitar bebidas alcoólicas, evitar fumar nas primeiras duas horas e não fazer esforço físico no dia da doação.

Qual é a quantidade de sangue coletada em cada doação?
Em cada doação são coletados aproximadamente 450 ml de sangue.

A quantidade de sangue coletada a cada doação vai afetar minha saúde?
Não, porque na doação de sangue se retira menos do que 10% do volume sanguíneo total de um adulto e o organismo repõe sem necessidade de qualquer medicamento.

Quanto tempo demora para que meu organismo reponha a quantidade de sangue coletada na doação?
O plasma é reposto em algumas horas, as plaquetas se restabelecem em alguns dias, e as hemácias demoram algum meses. Por esse motivo, a doação de sangue só pode ser realizada a cada dois meses para os homens e três meses para as mulheres.

Se eu doar sangue uma vez, sou obrigado a doar de novo?
Não. A doação de sangue é um ato altruísta e voluntário que depende da iniciativa de cada cidadão. Você retorna se quiser ao perceber que o sangue não se pode fabricar, somente se consegue através da sua doação voluntária.

É necessário estar em jejum para doar?
Não. É importante que o doador se alimente normalmente, evitando ingerir alimentos gordurosos no dia da doação. Após o almoço é necessário esperar cerca de duas horas para efetuar a doação de sangue.

Corro algum risco de contaminação doando sangue?
Não. Todo o material utilizado é estéril, de uso único e descartável.

Posso apresentar alguma reação doando sangue?
Raramente acontece e, na maioria das vezes, está relacionada com a ansiedade. Caso haja alguma reação, no local da coleta de sangue há sempre uma equipe preparada para atender a qualquer intercorrência.

É realizado algum exame no sangue doado?
Sim. Tipagem sanguínea, sorologia para hepatites B e C, doença de chagas, sífilis, HIV (vírus da Aids) e HTLV.

É cobrado pelo sangue doado?
Não, o sangue doado não é cobrado. No entanto, existe um custo para que o sangue seja colhido, (ex.: compra do material descartável), fracionamento de seus componentes (ex.: glóbulos vermelhos, plaquetas e plasma, etc.) e para a realização dos exames em cada unidade coletada. Nos serviços públicos de saúde, estes custos são cobertos pelo SUS. Os serviços de plano de saúde e particular fazem o ressarcimento desses custos operacionais à Hemorrede para que sejam reutilizados para o aprimoramento dos serviços oferecidos; isto é realizado por causa da lei federal de doação de sangue que exige este ressarcimento.

Por que os homens podem doar sangue a cada 2 meses e mulheres a cada 3 meses?
Devido à reposição dos estoques de ferro, que nas mulheres é mais demorada devido as perdas durante os ciclos menstruais.

Por que é recomendado que os doadores tenham pelo menos 50 kg?
O volume a ser doado é proporcional ao peso do doador. Para homens é de 9 mL/kg e para mulheres, 8 mL/kg. O anticoagulante presente na bolsa de doação liga-se ao sangue impedindo que coagule. O volume de anticoagulante da bolsa (63 mL) é padronizado para um mínimo de 400 mL de sangue, logo uma pessoa com peso menor que 50 quilos não poderia doar o volume mínimo, pois sobraria anticoagulante livre o que é indesejável (pode lesar os glóbulos vermelhos). Não se recomenda violar a bolsa para retirar anticoagulante sob o risco de contaminação bacteriana. Este procedimento só deverá ser feito em circunstâncias especiais em que os benefícios superem os riscos, como, por exemplo, na doação autóloga (quando o doador doa seu sangue para uso nele mesmo geralmente durante uma cirurgia programada).

Quais as vacinas que impedem a doação? Quanto tempo depois de ter tomado a vacina a pessoa poderá doar sangue?
A vacinação que leva o indivíduo a ficar mais tempo sem doar é a da raiva, recebida em razão de mordida animal (1 ano). Vacinas fabricadas de vírus ou bactérias atenuados, como a do Sarampo; Pólio Oral (Sabin); Febre Tifóide Oral; Caxumba (Parotidite); Febre amarela e BCG necessitam de 3 semanas de intervalo para a doação. As vacinas contra o vírus da Rubéola e da Catapora (Varicela), exigem um intervalo mínimo de 4 semanas. Aquelas decorrentes de vírus ou bactérias mortas como a do Tétano; Cólera; Pólio (Salk); Difteria; Febre Tifóide e Paratifóide (injetável); Meningite; Coqueluche; Hepatite A; Peste, Pneumococo; Leptospirose; Brucelose; Haemophillus influenzae; Antraz e Doença de Lyme exigem um período mínimo de 48 horas para doar. A contra o vírus da Hepatite B (recombinante) exige um intervalo mínimo de 7 dias e a do vírus da Gripe (Influenza), 4 semanas.

Doar sangue constantemente vicia ou engrossa o sangue?

Não. Isto é somente mito. Ser doador não vicia e também não engrossa o sangue.